ONDE REPORTAMOS


Reportagem Publication logo February 23, 2020

Vídeo: Negócios da China

País:

Autores:
Eviction of residents in Cajueiro. Image by Ingrid Barros. Brazil, undated.
Inglês

How Flávio Dino's administration has violated the environmental rights of traditional communities in...

author #1 image author #2 image
Vários autores
SECTIONS
Imagem de The Intercept - Brasil. Brasil, 2020.
Imagem de The Intercept - Brasil. Brasil, 2020.

Imagina você acordar um dia e ficar sabendo que vai perder sua casa e seu sustento. E que, como indenização, vai ganhar míseros R$ 600. Foi o que aconteceu com ribeirinhos e quilombolas, ameaçados de despejo para dar lugar a megaobras no Maranhão.

Maria da Glória, 59 anos, deixou feijão e carne já prontos na geladeira e foi buscar o neto de 11 anos na escola. Na volta, era só esquentar e almoçar. Quando chegaram em casa, pouco depois de meio-dia, não encontraram mais a comida, nem a geladeira, nem os pratos, nem a maioria dos móveis e utensílios da residência.

Quase toda a mobília da casa onde Maria da Glória morava com o marido e o neto, na comunidade tradicional Cajueiro, zona rural de São Luís, Maranhão, havia sido colocada em um caminhão de mudança por dezenas de homens pagos pela empresa Terminal de Uso Privado Porto São Luís, a TUP – antiga WPR São Luís Gestão de Portos e Terminais S/A, comandada pelo mesmo presidente do grupo WTorre. A empresa alega ser dona do terreno, onde pretende construir um porto privado com a transnacional chinesa de infraestrutura China Communications Construction Company, a CCCC, sócia majoritária do empreendimento.

Acompanhada pelo neto e vigiada por homens do Batalhão de Choque da Polícia Militar do Maranhão, a então moradora do Cajueiro chorou silenciosamente ao assistir a uma retroescavadeira demolir sua casa em menos de cinco minutos. Foi uma das 22 casas destruídas no dia.

Leia mais aqui.