WHERE WE REPORT


Translate page with Google

Story Publication logo June 15, 2020

Video: Voices of the Forest | Beto Ricardo e Márcio Santilli (Portuguese)

Country:

Author:
SECTIONS
Image by Le Monde Diplomatique Brasil. Brazil, 2020.
Image by Le Monde Diplomatique Brasil. Brazil, 2020.

Beto Ricardo and Márcio Santilli, co-founders of ISA (Instituto Socioambiental), are the subjects of the ninth interview in this series, titled "Voices of the Forest: The Chico Mendes Forest Peoples Alliance Today." This interview contains a conversation about Indigenous issues and the dictatorship, the Constitution, the forest peoples' discovery of Brasília and extractive reserves, and the mistakes of the Left in the contemporary struggle.

Beto Ricardo: "People who were alive during the dictatorship, where the issue of security had to do with State repression, are now faced with the challenge of institutionalized violence. But we will prevail."

Márcio Santilli: "I think this is a litmus test. It's a historic opportunity, thinking through the contradictions and through the absurd, it is a historic opportunity for us to reflect and get a sense of what we want to keep from what we did before."

Watch the full interview in Portuguese here.

Beto Ricardo e Márcio Santilli, sócio-fundadores do ISA (Instituto Socioambiental), são os entrevistados dessa semana da série "Vozes da Floresta - A aliança dos Povos da Floresta de Chico Mendes a nossos dias". Uma conversa sobre a questão indígena e a ditadura, a mudança de paradigma em relação a questão indígena nos anos 1970, a constituinte e a descoberta de Brasília pelos povos da floresta, os seringueiros, as reservas extrativistas, os equívocos da esquerda e a luta contemporânea.

Beto Ricardo: "A gente que vem do tempo da ditadura, onde a questão de segurança tinha a ver com a repressão do Estado, agora se vê diante de um projeto de violência institucionalizado. Mas a gente vai vai superar isso aí."

Márcio Santilli: "Eu acho que é uma prova dos 9. É uma oportunidade histórica, pensando pela via da contradição ou pela via do absurdo, é uma oportunidade histórica pra gente se confrontar e ter uma ideia do que vai ficar mesmo do que a gente fez."